Como custear seu produto
Muitos falam que os tempos atuais são o ápice da competitividade no mundo dos negócios, e quanto mais a competitividade aumenta, mais os empreendedores pensam em como não serem engolidos pelo mercado. Nessa onda de “como vou me sustentar no mercado”, alguns empreendedores já pensam em estratégias voltadas para inovação, investimentos tecnológicos, investimento em marketing, e , algumas vezes, se esquecem de uma área muito importante: gestão financeira. Especificadamente, olhar para toda sua empresa e fazer uma análise de custos completa sobre seus produtos, podendo realmente conhecer como funciona a dinâmica de precificação deles.

A partir de uma análise de custos feita de forma eficiente, provavelmente ficará claro para o gestor onde ele pode cortar gastos para baratear um produto, qual produto é o mais rentável para empresa(este sim merece investimentos em marketing), enfim, tomar várias decisões que podem ajuda-lo de fato a combater a competividade do mercado atual.

Beleza, entendi que realizar essa análise pode me ajudar muito no meu negócio, mas e agora, o que fazer?

Então, vamos lá! Nós da Projet trouxemos para você de uma forma prática e objetiva um passo a passo de como realizar uma análise de custos assertiva para sua empresa!

Dividimos em alguns passos(uns mais simples, outros menos), mas separados de forma clara para você aplicar na sua empresa!

Passo 1 : Coleta de Dados(Etapa mais importante)

Esta etapa você tem de levar muito a sério, é uma tarefa “simples”, mas, se feita de forma errada, impactará em todo o processo de forma negativa.

Deve-se levantar, literalmente, TODOS os gastos que você tem na sua empresa, independente do seu tipo ou de sua origem( iremos classificá-los mais tarde). O mais importante nesta etapa é realmente coletar dados reais(não fazer nenhum “chute” de preço) e também não deixar passar nenhum deles!

Após compilar todos eles, podemos ir para o próximo passo!

Passo 2 : Classificação dos Custos

É nessa parte que iremos “colocar os pingos nos i’s”, ou seja, classificar todos estes custos listados no primeiro passo! Primeiramente, deve-se separar os custos fixos dos custos variáveis, e para conseguir distinguir qual é fixo ou qual é variável, basta responder esta pergunta: “Este custo acumula proporcionalmente a quantidade produzida?”.

Todo tipo de custo que está relacionado a quantidade produzida(podemos considerar, vendida) é um custo variável, ou seja, ele varia de acordo com a quantidade. E todos os outros que serão custos constantes independente da quantidade de produtos fabricados/vendidos, são chamados de custos fixos.

Após separar estes custos em fixos e variáveis, devemos saber como a gente irá incorporá-los no preço de nossos produtos, certo?

Então vamos para a terceira etapa!

Passo 3 : Defina seu método de custeio!

Nesta fase é que muitos empreendedores se perdem! Vê-se todos estes tipos de custos e classificações e, na hora de passá-los para o preço dos seu produtos. Para fazê-la da forma correta, você deve escolher algum método de custeio que seja mais interessante para a sua empresa. Existem várias metodologias e nós escolhemos duas essenciais e trouxemos para você analisar qual se encaixa melhor no seu negócio: custeio por absorção e custeio variável.

Custeio por absorção

O método da absorção é um método que funciona da seguinte forma: você pega todos seus custos, independentes de serem fixos ou variáveis, diretos ou indiretos, e divide por todos os seus produtos. Ou seja, todos seus gastos(mesmo que há um gasto que não se relacione diretamente com algum produto) irão influenciar no preço de todos os produtos.

Este método é menos trabalhoso, considerado o mais simples de todos eles. Sua desvantagem é que ele não considera a diferença de gastos que temos para fabricar diferentes produtos. Dê uma olhada na imagem abaixo que ficará claro para você:

Essa particularidade pode causar uma grande desvantagem: você pode estar vendendo produtos com um preço muito abaixo do que ele custa ou vendendo um produto com um preço muito mais caro que o mercado, quando na verdade você gasta bem menos para produzi-lo.

Custeio variável

Já no custeio variável, ele é focado na diferença real de custos diretos de produção de cada produto/serviço. Somente os gastos variáveis que são apurados no custo das vendas. Os custos fixos serão considerados só no balanço final.

Neste método o mais interessante é que ele permite o empreendedor a saber a real margem de contribuição de cada produto para empresa, ou seja, qual a rentabilidade de cada produto. Essa é uma informação muito importante para identificar quais são os produtos mais importantes e lucrativos para a empresa.

Na imagem abaixo, iremos lhe mostrar como é calculado o custo com base no Custeio Variável

Pode-se perceber que, baseado neste método, o produto B é um produto mais lucrativo para a empresa, onde vemos que mesmo sendo vendido em menos quantidade, ele traz um retorno maior para  empresa.

Passo 4 : Cálculo do mark-up

O mark-up não é nada mais nada menos do que: por quanto você ira vender seu produto. Ou seja, após calcular todos os custos, qual será a margem de lucro que você irá cobrar em cima de todo os custos listados.

É de fundamental importância que, na hora de definir seu preço, seja feito uma análise de mercado completa para saber por quanto está sendo vendido produtos parecidos por seus concorrentes. Além disso, deve se entender o quanto as pessoas estão dispostas a pagar pelo seu produto/serviço.

Por exemplo, vamos pegar o exemplo mostrado na figura 1(Custeio por Absorção), onde iremos definir uma margem de lucro de 20%.

Preço de venda

A partir daí, obtemos um mark-up de R$42,93. E por fim, concluímos nossa jornada sobre a análise de custos e precificação do seu produto! Espero que você aplique na sua empresa e a torne mais lucrativa!

A partir daí, tomar decisões sobre os resultados se tornam mais fácil e mais assertivas! Por isso, antes de olhar pra fora, arrume a casa! Conheça seus gastos! Saiba onde pode cortar(ou não), e vá a luta da competitividade do mundo dos negócios da melhor forma.

E aí, o que achou? Sentiu dificuldade em alguma parte? Entre contato conosco!